300: Rise of an Empire

Transient

Aguardava por este filme com alguma ansiedade... Mas depois de o ver fiquei desiludido.

Quando vi o 300 em 2006 fiquei deslumbrado com as imagens, com as cenas, com a história e com as personagens. Gostei muito do trabalho do realizador Zack Snyder.

A história deste filme acontece em simultâneo que o filme anterior. Acompanhamos o combate entre Themistocles e Artemisia, ou seja, os barcos gregos contra os barcos Persas. Este é o único ponto diferente entre os dois filmes.

Ao ver este 300 senti que estava a ver uma cópia do anterior, mas para pior. As situações que acontecem são iguais e o desenrolar da história é muito parecido. As imagens são de um ambiente escuro e sombrio, as cenas de combate são muito boas (especialmente no início) e tudo é muito real e violento. Tal como no primeiro, as imagens são muito cruas e directas. Posso dizer que foi a única coisa que gostei do filme porque também já tinha gostado no anterior.

Não gostei nada da escolha dos actores para os papeis principais pois não tinham carácter nenhum. No primeiro 300, Leonidas era interpretado por Gerard Butler. Este conseguiu dar carisma à personagem e os seus discursos eram fortes e cativantes. Neste 300, Sullivan Stapleton ao interpretar Themistocles é fraco... Para além de os discursos serem iguais ao filme anterior, ele não tem carisma nenhum e tudo soa a falso.

Não vou dizer que não gostei deste filme porque estaria a mentir, mas fiquei muito desiludido. Acho que vai ser igual à trilogia Matrix. O primeiro é bom, o segundo é médio (a puxar para o mau) e o terceiro é muito mau. Se existir outro 300 não estraguem o que começaram e voltem a escolher o Zack Snyder para realizador porque o senhor Noam Murro ainda tem muito para aprender.

In