Nouvelle Vague @ Teatro José Lúcio da Silva - Leiria

Esta foi a terceira vez que vi Nouvelle Vague ao vivo, no entanto, foi a primeira vez que os vi em Leiria. Finalmente, resolveram colocar a minha cidade no calendário da mais recente digressão em Portugal. Este colectivo francês, nascido em 2003 pelas mãos de Marc Collin e Oliver Libaux, tem por hábito reavivar os clássicos da New Wave condimentados com apontamentos de Jazz e Bossa Nova dando origem a uma fusão muito interessante e fora do comum.

Antes do concerto, a minha grande interrogação era como seria possível ouvir o Just can’t get enough dos Depeche Mode ou Dancing With Myself de Billy Idol sem que o corpo “exigisse” saltar da cadeira... Sim! Foi a primeira vez que os vi numa sala com lugares sentados.

Contrariamente ao que estava à espera, o formato intimista, concedeu às músicas interpretadas por Nadeah e Helena Noguera um toque muito especial e uma nova roupagem, bem diferente dos discos editados pela banda. Uma das coisas que gostei imenso deste concerto, foi a utilização de poucos instrumentos, o que salientava bastante os teclados e dava uma ar de Zero7 a todas as músicas. As teclas e os sintetizadores lançavam tons lindos e fantásticos por todo o teatro.

Outro ponto muito bom, foi a irreverência de Nadeah e a sua forma bem expressiva de estar em palco e envolver o publico em todo o espectáculo. O que deu um ar de louco e "rockeiro" a um concerto que se esperava "intimista".

Um dos pontos fracos do concerto, foi a ausência da Mélanie Pain (a voz mais doce dos Nouvelle Vague), e por consequência, o não terem tocado o tema Blue Monday dos New Order e o tema "Friday Night, Saturday Morning".

A primeira parte esteve a cargo de Gerald Toto que contagiou o público com o tema Chocolate Cake with Cream & Raspberry.

No global foi um bom concerto! No entanto, não foi o melhor que vi deles... Mas mesmo assim, foi um grande concerto.


In