Racismo ou Proteccionismo?

As notícias da semana passada mostraram manifestações de trabalhadores ingleses, contra os trabalhadores portugueses e italianos que ocupavam os postos de trabalhos em empresas inglesas.

Tudo começou porque o Primeiro-ministro das terras de sua majestade, disse na televisão que ia entregar os postos de trabalho ingleses a ingleses. Uma frase apropriada para ganhar uns votos, visto estarmos em crise e o desemprego estar a aumentar.

No entanto, esta situação leva-nos a um impasse…

Foi com este tipo de discursos que Hitler foi eleito na Alemanha, dando origem, posteriormente, a um dos momentos mais negros da história. No entanto, reflectindo um pouco, concluímos que os portugueses estão em Inglaterra a trabalhar, porque nenhum inglês quis fazer aquele trabalho.

O mesmo se passa em Portugal. Actualmente, a maioria dos cafés está invadido de trabalhadores brasileiros (não tenho nada contra isso). Esta situação acontece, porque os portugueses não querem fazer esse tipo de trabalho ou tem outro emprego, e, porque os brasileiros sujeitam-se a trabalhar mais e receber menos (o mesmo que aconteceu aos emigrantes portugueses no passado, quando foram para a França e para a Suíça).

Como estamos em crise, o desemprego está aumentar, como tal, existe uma remota possibilidade de os portugueses começarem a reivindicarem os trabalhos ocupados pelos brasileiros (situação semelhante, que está a ocorrer em Inglaterra). Sinceramente, espero que nunca se chegue a este ponto.

Apesar de estarmos numa aldeia global e podermos circular por todo o lado, os governos deviam proteger o que é seu (postos de trabalho, trabalhadores, produtos, empresas, etc…) dos mercados exteriores, principalmente aqueles mais agressivos e com leis de trabalho muito diferentes das nossas. Actualmente não existe qualquer mecanismo de protecção, e podemos ver muitas empresas nacionais a fechar portas, porque não conseguem competir com mercados, em que a mão-de-obra é mais barata, porque o código do trabalho é muito diferente do nosso.

A situação é complicado, porque se todos os governos protegerem o que é seu, Portugal não consegue exportar os seus produtos, não consegue ter trabalhadores e estudantes no estrangeiro, etc…

Como deverá o governo actuar? Deverá proteger os emigrantes que em alturas de necessidade, serviram de mão-de-obra para o país crescer? Deverá proteger os postos de trabalho, entregando-os apenas aos portugueses?