O Hospital de Leiria também é Casa.


“Crianças e idosos obrigados a viver em hospitais”, este é o título da notícia da capa do Jornal de Leiria desta semana.

O jornal refere miúdos de acabam os tratamentos e ficam meses internados nos hospitais porque sofrem maus-tratos familiares e não podem voltar para as suas famílias, ou seja, os miúdos ficam curados mas depois ficam nos hospitais em contacto com outras crianças doentes… É o cumulo…

Eu pergunto-me:

1º - Como é que é possível um pai ou uma mãe maltratar um filho? É completamente inconcebível…

2º - Como é que é possível um país organizar uma Expo98, um Euro 2004, ser felicitado por todos pela óptima organização e não conseguir organizar um sistema de internamente para estas crianças e para muito outras que sofrem de maus-tratos.

3º - Como é que é possível ouvirmos a nossa presidente da câmara dizer que nos devemos orgulhar por termos participado no euro 2004, com um estádio feio, que custou um balúrdio e que fez com que Leiria ficasse endividada por um 100 anos, quando abrimos o jornal e circulamos na rua e vemos tantas coisas que não estão resolvidas.

A resposta a isto tudo é simples. É tudo uma questão de prioridades e de facilidade. É mais fácil chegar a casa chateado do trabalho e descarregar numa pessoas mais fraca. É preferível ter um estádio que se veja ao longe do que ter um lar como deve ser que acolha crianças ou mesmo que se incentive e ajuda as famílias a adoptar um miúdo.

No fundo é tudo uma questão de prioridades…

Talvez quando o estádio esteja pago se pense nestas coisas.